Dirigentes
Rapidinhas
Dirigente Industrial - Onde indústrias e produtos são notícias
Inflação e desgoverno

Inflação e desgoverno


O cenário econômico continua apresentando aceleração da inflação, que, em março (2016), foi de 0,97% pelo IPC da FIPE. Trata-se de forte indicativo de que a taxa acumulada no ano ficará acima do topo da meta estabelecido pelo Banco Central, de 6,5%. A maior incidência de aumentos está relacionada a alimentos (1,87%) e despesas pessoais (1,17%). Embora a mensuração da inflação acima citada refira-se a famílias com renda de um a 10 salários mínimos na Região Metropolitana de São Paulo, já existe a premissa de que o IPCA,  índice oficial da inflação, possa sinalizar uma aceleração. Apesar disso, o governo insiste que será de apenas um dígito.

Um dos fatores que pressionarão os preços é a autorização dada pelo governo para o aumento de 8,6% nas contas de energia elétrica no interior de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A situação somente não é pior porque, depois do excesso de chuvas, as autoridades perceberam que não se justificava a manutenção do sistema de bandeiras, utilizado quando foi necessário acionar as termoelétricas para suprir o abastecimento. Porém, a suspensão da bandeira tarifária representará menor arrecadação para as concessionárias elétricas, que, de imediato, pleitearam aumento de preços, aceito pela Aneel (Agência Nacional da Energia Elétrica).

A questão energética é mais um elemento que coloca em xeque a credibilidade do governo. Há rumores de que o ex-presidente Lula influencia cada vez mais as decisões administrativas, despachando medidas durante reuniões em hotéis, conforme amplamente divulgado pela imprensa. Tudo isso acirra o ceticismo dos empresários de todos os setores, incluindo os investidores estrangeiros. Tal desconfiança agrava a recessão e o desemprego.  Com menos dinheiro girando no mercado e o aumento dos juros, é inevitável o impacto nos preços de produtos e serviços. Estamos num círculo vicioso!

A realidade é clara: está sendo muito mal visto o leilão de cargos nos ministérios e órgãos estatais, promovido pelo governo para recompor a base aliada no Congresso Nacional, após a debandada do PMDB. Isso se reflete diretamente nos investimentos. Ninguém quer pôr dinheiro num Brasil permeado por uma crise política gravíssima, fisiologismo, escândalos e incertezas de toda ordem. Assim, projetos de logística, transportes e geração de energia, que poderiam auxiliar na redução dos custos de produção, vêm sendo adiados indefinidamente. Há limites para riscos no capitalismo. Quando não há perspectivas no horizonte para o retorno do aporte de capital, tudo fica estagnado.

Não há transparência no governo e sequer um plano sério de contingenciamento dos gastos. Por isso, o déficit orçamentário da União pode chegar a R$ 100 bilhões. Sem superávit primário, o dinheiro fica mais caro e as fontes de fomento cobrarão juros cada vez mais elevados. O mais grave é que o governo está paralisado, com todo o seu foco dirigido às manobras para evitar o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Há muita discussão e polêmica entre os poderes constituídos. O Brasil espera o desfecho político para caminhar. Quem governará o País? Dilma continuará? Temer assumirá? Ambos serão afastados e haverá novas eleições em 90 dias?

O Brasil espera essas respostas para que seja possível restabelecer a governabilidade e a gestão pública. A prioridade é o equilíbrio financeiro, que não pode vir do aumento da carga tributária e tampouco de novos financiamentos, mas sim do corte de gastos desnecessários. A máquina governamental está muito pesada. Por isso, os brasileiros estão assumindo a responsabilidade pela incompetência no trato dos recursos públicos, além de arcarem com todas as consequências que a crise está acarretando aos cidadãos e à sociedade.

 

Texto de: Reginaldo Gonçalves - Coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina (FASM).

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380

Autoria

Fonte: Rodrigo Freitas - Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação - Abril 2016

Artigos Relacionados

Contato

+55 11 4411-6380

Formulário de contato

DIRIGENTE INDUSTRIAL
  • O portal das empresas, para
  • empresários, dirigentes,
  • compradores e vendedores
Informativo